Tecnologia do Blogger.

Uma nova fase começa!


publicado por Vivi Tassi em

45 comentários


(foto: Google)

Foi tudo planejado e programado. Pensamos eu e meu marido em colocar o Theo aos 3 anos na escola. Por motivos que não vem ao caso, essa entrada foi protelada, uma, duas, três vezes. Eu como mãe e a pessoa que mais convive com a criança até hoje, estava me sentindo impaciente, e necessitando de um tempo para mim, para a Viviane mulher, vaidosa, a Viviane que gosta de ler,  andar por aí sem ter onde ir, só para cobiçar os modelitos expostos nas vitrines das lojas.

Mas finalmente o dia chegou, e os preparativos tomam conta do meu tempo, aliás do nosso tempo. Fiz questão de que o Theo, com seus apenas 3 anos e 8 meses, participasse de tudo. A escolha do personagem que viria estampado em sua mochila, na lancheira, e até na escolha da escola, ato tão importante para o futuro e desenvolvimento do meu único filho. O pai também participa, com mais tranquilidade e,  dentro do seu tempo disponível encontra um espaço para nos acompanhar às compras. Uniforme, material escolar, calçado. E quando perguntamos quem é que vai pra escolinha, a resposta é rápida e certeira: "o Theo e a mamãe".

Sabemos que um período de adaptação será necessário, mas ele é criança e como sempre vai se encaixar facilmente nesse novo ambiente, principalmente depois da primeira ida ao playground da escola. Nossa esperança é que com essa nova atividade, ele se torne uma criança mais acessível, que saiba dividir e conviver com outras.

Mas e eu? Como fica a Viviane que ansiava tanto por um tempo livre, pra fazer nada, apenas se deixar levar pelo silêncio ( acreditem, ficar em silêncio vale ouro! ),ou a Viviane sedenta por sair de casa e fazer o que gosta, procurar o que realmente lhe dá prazer?

Confesso que minha adaptação será muito mais difícil! Já estou me sentindo sozinha e perdida. Minha cabeça dá voltas toda vez que penso nesse tempo livre que vai fazer parte do meu dia. E tento encontrar dentro de mim uma solução, uma maneira de ser produtiva, de fazer mais, muito mais do que faço hoje, e fazer por mim e não por todos que me cercam ou que até agora são minha vida, meu trabalho, meu esporte, minha religião, meu prazer.

Quem é que entende o coração e os sentimentos de um ser chamado "mãe"???


45 comments

  1. Anônimo

Deixe um Comentário

Não saia sem comentar. O que você achou do post é muito importante para o aprimoramento do nosso trabalho. Respondemos a todos aqui mesmo, portanto volte sempre, será muito bem-vindo.